O CAE desde muito tempo auxilia nas análises estruturais de Engenharia....

O CAE desde muito tempo auxilia nas análises estruturais de Engenharia....

Por Sérgio Faria - 09/05/2014

Desde muito... o CAE acompanha as análises estruturais de engenharia através do método de elementos finitos (MEF). O método dos elementos finitos (MEF ou FEA em inglês) é uma forma de resolução numérica de um sistema de equações diferenciais parciais.
Diversos tipos de problemas físicos que encontrados nas ciências e nas engenharias são descritos matematicamente na forma de equações diferenciais ordinárias e parciais. As soluções usualmente utilizadas são frutos de um método de solução analítica encontrado através de métodos algébricos e diferenciais aplicados a geometrias e condições de contorno particulares; a aplicação generalizada dos métodos analíticos para diferentes geometrias e condições de contorno torna impraticável ou até mesmo impossível a obtenção de soluções analíticas exatas. O chamado MEF consiste em diferentes métodos numéricos que aproximam a solução de problemas de valor de fronteira descritos tanto por equações diferenciais ordinárias quanto por equações diferenciais parciais, através da subdivisão da geometria do problema em elementos menores, chamados elementos finitos, nos quais a aproximação da solução exata (...se é que se pode dizer que existe solução exata) pode ser obtida por interpolação de uma solução aproximada.
O método encontra aplicações em diversos campos como: Mecânica estrutural, Mecânica dos fluidos e Eletromagnetismo.

Atualmente o MEF é muito citado nos campos de atuação, conforme citado, porém há décadas ele tem sido utilizado.

Um exemplo da aplicação, foi citado em uma matéria publicada em 24 de Janeiro de 1971 no Acervo da Folha, o qual retrata a construção da conhecida Via Elevada Costa e Silva, vulgo "Minhocão", executada em tempo exíguo pela empresa Hidroservice - Engenharia de projetos Ltda, um verdadeiro recorde da época.

Poderia descrever a matéria, mas nada mais satisfatório que ler o artigo publicado na época, enfatizando as vantagens do feito.

Caro leitor, antes que pudesse direcioná-lo ao arquivo, gostaria de fazer uma breve menção ao computador utilizado pela Hidroservice.

Tratava-se de um IBM 1130, um computador do tamanho de mesa projetada para general-purpose e científicos aplicações de pequena escala. Na sua versão original, a IBM forneceu mais de 50 programas para aplicações matemáticas, estatística e engenharia. Programas FORTRAN escritos para o 1130 também poderia correr na série IBM Sytem/360. Os programadores também podiam codificar nas línguas de RPG e montagem.

A máquina tinha cartuchos de disco de um megabyte removíveis. Ele também poderia apoiar cartão e fita de papel equipamento soco, impressoras de linha, plotters, um leitor óptico marca página, pacotes de armazenamento em disco e unidades de exibição gráfica. IBM 1130 podia também funcionar como um terminal remoto para o processador de um computador 360. Veja as características:

Hoje em dia os computadores, com seus recursos e solvers de cálculos, podem compilar milhões de cálculos e dados em tempos totalmente insignificantes se comparados aos recursos da época.

Leia o artigo e sinta a discrepância entre as épocas, recursos e o que se considera ou considerava-se tecnologia de ponta, no decorrer dos anos.

 

      

     Download/ Leitura

 

 

Fontes: Demar, Ed-thelen, Acervo da Folha